Página não oficial do Concelho de Castanheira de Pera

Quinta-feira, 31 de Julho de 2008
Hoje estou danado...

Recebemos há dias um email de um Amigo, o bom Amigo Diamantino, que tendo vivido em de Castanheira de Pera desde a sua meninice, a sua vida profissional levou-o até outros locais.

Dele transcreve-mos na integra o email enviado, cujo assunto sobre o Poço Zé Veras, poderá não ser do agrado de muitos, tal como refere no email enviado:

 

                   "Hoje estou danado...

 
Que me desculpe o meu grande amigo Filipe Lopo, de utilizar uma frase de sua autoria, mas estou verdadeiramente danado.
Gosto da Castanheira como se fosse a minha terra de nascença, ninguém pode negar a minha entrega, dedicação, empenho, nas diversas actividades onde estive inserido, sempre dei o meu máximo durante quase vinte anos que vivi nessa localidade.
Hoje por motivos simplesmente laborais, não vou tão assiduamente à Castanheira como era a minha vontade.
Lá virá o dia em que em gozo da minha reforma, poderei, quem sabe; regressar de vez para terminar um sonho algum tempo idealizado.
E estranho de quando em vez ao regressarmos, ás “nossas origens “ nos invade aquela sensação do passado.
Fico triste quando tenho conhecimento de que pessoas que me foram queridas, já não se encontram entre nós.
Algumas vezes instala-se em nós aquela revolta, não somos capazes de compreender o porquê de certas coisas acontecerem, a vida está cheia de surpresas e quanto menos se espera, recebemos aquela triste noticia e instala-se em nós o vazio, a indignação “ aquele porquê grande absoluto.”....
Bem mas eu estou danado, também por isso, mas principalmente por uma situação que  me deparei, num fim-de-semana que estive em Castanheira, mais propriamente nos Moredos.
Moredos para quem não sabe é aquela pequena povoação a norte da Castanheira. Sim aquela que fica a cerca de mil metros da bonita Praia das Rocas.
Aquela que tem agora a nova rotunda do Safrujo, (já era tempo).....
Mas o que vou relatar, talvez não seja exposto porque vai com certeza incomodar.
Ora lá vai um pouquinho de história...
A Ribeira de Pera, também passa no lugar dos Moredos, e perdoe-me por não colocar por palavras minhas o encanto a beleza a formosura dessa ribeira, pois alguém já escreveu essa beleza, e eu vou utilizar essas palavras como fossem minhas.....
“Num vale onde reina o verde, a Ribeira de Pêra percorre turbilhante o seu caminho, despenhando-se abruptamente de açude em açude, de cascata em cascata, numa mescla de tons verde água e de sons vários, num cenário naturalmente inexplorado.”
“As piscinas e os carreteiros que ligam a serra à ribeira proporcionam aos visitantes uma multiplicidade de prazeres que se desdobram em actividades que vão desde a aventura ao simples desfrutar relaxante da natureza.”
Eu diria que poesia, que encanto.
“ despenhando-se abruptamente de açude em açude “
Quem e que nos tempos da sua infância não tomou banho nesses açudes, apesar da descargas das fábricas com tintos e do pessoal mudar de cor de minuto em minuto, era tudo uma verdadeira festa, o pessoal queria era abafar o calor dos tórridos verões.
Lembro-me do Poço do Carvalhas, do agora bem preservado Poço Corga, do já extinto Poço Borralheiro (ou designado poço das calhandras) e de tantos outros..... 
 Até que chega ao açude do conhecido pelo poço “ Zé ou Manel Veras “.
Nunca compreendi o nome dado a esse poço, mas mistérios à parte, vi e entristeceu-me, o cenário desolador, daquele velhinho poço.
 Foi completamente esquecido e abandonado, o mato impera nas suas margens e não está pior graças à teimosia de alguns utilizadores.
Não esqueço a frase “ proporcionam aos visitantes uma multiplicidade de prazer “ 
E termos de facilitar, o caminho que leva ao poço, até não está muito mau, para veículos 4x4. Ou simplesmente podemos ir a pé, afinal o poço dista de cerca de 100 metros até a estrada principal, não fossem alguns silvedos e ervas que crescem naturalmente, e algum desnivelamento tendencioso do acesso.
Em termos de variedade, temos muita, ervas silvas, mais ervas, mais silvas, são tantas que até o antigo moinho sucumbiu por entre a vegetação.
E depois aquela ultima frase “ simplesmente desfrutar relaxante da natureza”
É certo que é natureza, é certo que tem que ser preservada mas assim tanto não acho que seja normal.
Não se poderiam tirar umas silvas (As amoras-silvestres são o fruto (pseudobaga) de arbustos (amoreira-silvestre) do género Rubus, vulgarmente designados como silvas, da família das rosáceas ), e limpar o terreno (não sei a quem pertence) para arranjar um espaço para o pessoal poder então desfrutar da relaxante natureza..
 
Perdoem-me se esta minha “danação “ ferir susceptibilidades de alguém, mas esqueçam neste verão um pouco a Praia das Rocas, o Poço Corga, e venham dar um mergulho ao Poço Zé ou Manel Veras.
A já me esquecia, tragam galochas e uma catana para desbravar o mato.
Pois é, aqui está o porquê de eu estar danado".
 
(Bom amigo Diamantino: - Como tens visto não tenho actualizado o Blog. Mas o assunto por ti enviado é pertinente... e de facto está na hora de alguém verificar esse belo local que tão boas e fabulosas recordações nos trazem. Um abraço Amigo, do Filipe Lopo)


publicado por Filipe Lopo às 21:47
link do post | favorito
 O que é? |

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Hoje estou danado...

arquivos

Janeiro 2011

Abril 2010

Dezembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Março 2006

tags

todas as tags

links
Paralaxe

VISITAS

Estadisticas web
blogs SAPO
Pesquisa
 Busca e Pesquisa Evangélica